Presidente Dilma entrega a segunda estação de bombeamento EBV II da Transposição do Rio São Francisco. E o caos no Sistema Itaparica como fica?

CanalAproxTranspE agora Presidente Dilma, como fica o Sistema Itaparica? Disseram a V. Exa. que a água que está sendo bombeada para a transposição do eixo Leste está prejudicando os produtores rurais do Icó Mandantes?

E agora Polo Sindical e Sindicatos associados: O que vocês disseram a Presidente sobre o que estão fazendo para que possamos continuar trabalhando honestamente e produzindo alimentos para o mundo? Disseram o que vocês fizeram para que cada reassentado receba os 21 hectares de área de cerqueiro a que têm direito? Disseram também o que vocês fizeram para que os reassentados recebam o título de posse de suas casas e lotes irrigados? Antes do governo do PT eu sei que fizeram muito.  E nos últimos 13 anos?

E agora senhores deputados e senadores que vivem a garimpar votos nos momentos das eleições: Pediram para a Presidente olhar para o Projeto Icó Mandantes? Conseguiram aprovar alguma emenda ou projeto que garanta a sustentabilidade do Sistema de Irrigação do Sistema Itaparica a exemplo do que fizeram para garantir 30 milhões para as bombas flutuantes para o Projeto Nilo Coelho em Petrolina? Projeto esse que foi concluído em apenas 90 dias?

E agora Produtores Rurais, conseguiram chegar perto da Presidenta para dizer que o nosso projeto está morrendo por falta de recursos devidos e prometidos pelo governo Federal? Conseguiram dizer a ela e aos políticos que os servidores que prestam serviços para a PLENA, (empresa terceirizada pela CODEVASF) para gerir o sistema de Irrigação dos projetos Icó Mandantes, Apolônio Sales, Barreira e Manga de baixo estão todos de aviso prévio? Conseguiram dizer a ela que, se até o próximo dia 15 de janeiro, a CODEVASF não pagar a conta da CELPE, esta cortará novamente a energia dos sistemas de bombeamento?

O canal de aproximação para a primeira estação de bombeamento da transposição do eixo leste (ver foto acima) inicia a menos de 500 metros da margem do lago onde está o Projeto Icó Mandantes. Corre paralelo ao início de quatro canais de aproximação dos sistemas de bombeamento do Projeto Icó Mandantes Bloco 4 (EB2, EB3, EB4 e EB5). Para a Transposição não está faltando nem recursos e nem água. Para os reassentados faltam os dois.

O projeto Icó Mandantes caminha a passos largos para o buraco que o levará ao fundo do poço. Não podemos, porém,  menosprezar os políticos, o sindicato e o polo sindical. Mas até agora, nada foi feito por eles que garanta a autosustentabilidade do Projeto. Continuamos reféns do voto de cabresto inclusive do sindicato e polo sindical que, no momento, são cabos eleitorais do governo federal. O mesmo governo federal que deixa que falte recursos até para pagar a conta de energia para consumo humano. Prefiro acreditar que a Presidenta Dilma não saiba disso.  Não podemos viver sem eles, políticos e sindicatos. Mas enquanto não tivermos organizados e unidos o suficiente para demonstrar que são eles que precisam de nós, chegaremos mais rápido do que se pensa ao fundo do poço e as consequências sociais serão desastrosas.  Será que nele caberá 8.000 habitantes? O que farão 2.500 jovens do Projeto Icó Mandantes na idade produtiva sem qualquer esperança de futuro?

Leia também:

A vaquinha do Icó Mandantes ou do Sistema Itaparica?

Suicídio e homicídio: o preço do progresso

Operária morre envenenada no Icó Mandantes

O Projeto Icó Mandantes de Petrolândia Pernambuco ontem hoje e amanhã

O Discurso proferido por Rui Barbosa no Senado Federal em 17/12/1914 é de uma atualidade impressionante:

“Sinto vergonha de mim por ter sido educador de parte desse povo, por ter batalhado sempre pela justiça, por compactuar com a honestidade, por primar pela verdade e por ver este povo já chamado varonil enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim por ter feito parte de uma era que lutou pela democracia, pela liberdade de ser e ter que entregar aos meus filhos, simples e abominavelmente, a derrota das virtudes pelos vícios, a ausência da sensatez no julgamento da verdade, a negligência com a família, célula-mater da sociedade, a demasiada preocupação com o ‘eu’ feliz a qualquer custo, buscando a tal ‘felicidade’ em caminhos eivados de desrespeito para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim pela passividade em ouvir, sem despejar meu verbo, a tantas desculpas ditadas pelo orgulho e vaidade, a tanta falta de humildade para reconhecer um erro cometido, a tantos ‘floreios’ para justificar atos criminosos, a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre ‘contestar’, voltar atrás e mudar o futuro. Tenho vergonha de mim, pois faço parte de um povo que não reconheço, enveredando por caminhos que não quero percorrer…

Tenho vergonha da minha impotência, da minha falta de garra, das minhas desilusões e do meu cansaço. Não tenho para onde ir, pois amo este meu chão, vibro ao ouvir meu Hino e jamais usei a minha Bandeira para enxugar o meu suor ou enrolar meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim, tenho tanta pena de ti, povo brasileiro!

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *