De Jatobá A Petrolândia – Três nomes, uma cidade, um povo – Gilberto Menezes

Livro de Gilberto Menezes

Livro de Gilberto Menezes

Petrolândia 24 de novembro de 2014

Comprei ontem, na LUMIAR, o livro do Professor Gilberto de Menezes “De Jatobá A Petrolândia – Três nomes, uma cidade, um povo”. Acabo de devorá suas 287 páginas em uma só sentada. Excelente fonte de pesquisa. Estilo literário impecável. A história de Petrolândia escrita com lucidez e inteligência. Parabéns Professor Gilberto.

Acrescento, como complemento, a este valioso documento histórico, algumas linhas sobre uma região que sempre foi esquecida: O Icó Mandantes que hoje esbanja prosperidade e produz alimentos não apenas para Petrolândia, mas para todo o Brasil através de sua agricultura familiar irrigada pelas águas do Lago de Itaparica. O Bloco 3 onde se localizam as agrovilas de 1 a liarosa10. Há 150 anos chamava-se DESERTO DOS CAMPINHOS. O próprio nome conduz nosso imaginário a pensar nas dificuldades do povo humilde que ali chegou para povoá-lo. Foi o local onde nasci em 1947. Nos anos de seca tínhamos dificuldades para encontrar água e alimentos. Foi no saudoso Icó citado no referido livro onde conheci uma escola pela primeira vez aos 11 anos mantida pelo DNOCS. Aqui a minha homenagem à querida educadora linda, inteligente, comprometida, Dona Lia Rosa de Floresta do Navio formada no Colégio de Freiras Cristo Rei em Recife. Foi minha professora no ensino primário. “Que saudade da professorinha, que me ensinou o bê a bá” (Ataufo Alves).

O mapa da região apresentado acima faz parte do acervo da Biblioteca Central da Universidade de Humboldt em Berlim na Alemanha registrado em 1860, portanto há 154 anos. A pedido me foi gentilmente enviado pela Professora da referida Universidade Marianna Siegmund Shultze.

O Icó Mandantes há 150 anos

O Icó Mandantes há 150 anos

EM PETROLÂNDIA: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA – Ponto de presença

Petrolândia 20 de novembro de 2014

Ensina a sabedoria popular do lavrador que para se colher bons frutos, e a ciência moderna confirma, dois pré-requisitos devem ser cumpridos: Primeiro é necessário preparar bem o terreno; Segundo escolher uma boa semente.

Petrolândia cumpriu de forma impecável estes dois requisitos. Preparou bem o terreno transformando a Escola Agropecuária, em Centro de Referência e escolheu uma semente fértil, pública federal, gratuita e de qualidade. Uma semente fecunda que produz conhecimento e transforma-o em tecnologia de ponta a serviço da juventude, sobretudo dos mais necessitados: O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO DO SERTÃO DE PERNAMBUCO. Um sonho sonhado por Francisco Simões de Lima, então Prefeito de Petrolândia, quando construiu a Escola Agropecuária que no momento se torna realidade segundo o seu Filho Prefeito Lourival Simões. Não devemos, porém, esperar neste terreno, que os bons frutos sejam colhidos de imediato. Em educação o retorno só se percebe em longo prazo. É como diz Augusto Cury: “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência”.

A semente aqui em Petrolândia foi plantada. Agora é regar com a água que jorra da fonte da sabedoria e cultivar com as ferramentas da humildade, perseverança, tolerância, determinação e vontade política, que os frutos, no tempo certo, começarão a surgir naturalmente.

O que aqui hoje se plantou com certeza produzirá jovens talentosos e qualificados para ingressar nesse mercado cada vez mais competitivo do mundo do trabalho.

Como petrolandense e Professor aposentado da Universidade Federal de Pernambuco, na área de educação, coloco o meu humilde conhecimento e experiência adquiridos em 33 anos de magistério a disposição dos que gerenciam este educandário.