Alimentos saudáveis para o Brasil e para o Mundo

Petrolândia 18 de novembro de 2013

Amigos,

Eu acabei de criar minha própria petição e espero que possam assiná-la. Ela se chama: Alimentos saudáveis para o Brasil e para o Mundo. Será enviada pela empresa AVAAZ.ORG para o Prefeito de Petrolândia Lourival Simões, Governador de Pernambuco Eduardo Campos e a Presidenta do Brasil Dilma Rousseff.

Eu realmente me preocupo sobre este assunto e juntos nós podemos fazer algo a respeito disso! Cada pessoa que assina nos ajuda a chegarmos mais próximo do nosso objetivo de 100 assinaturas — será que você pode nos ajudar assinando a petição?

Clique aqui para ler mais a respeito e assine: 
Campanhas como esta sempre começam pequenas, mas elas crescem quando pessoas como nós se envolvem — por favor reserve um segundo agora mesmo para nos ajudar assinando e passando esta petição adiante.

Muito obrigado,

Uma ponte entre o passado e o presente

cais03Petrolândia 05 de novembro de 2013

Cais D. Pedro II ou Píer da Prainha? Se a resposta correta for a primeira opção teremos uma ponte entre o passado e o presente. Será uma importante, oportuna e merecida contribuição ao patrimônio histórico e cultural da nossa cidade. Independentemente do estilo da obra de ontem e de hoje será uma forma do nosso povo mergulhar e ficar conectado permanentemente à história da nossa querida Petrolândia. Mas se for batizado de “Píer da Prainha” estaremos cometendo um equívoco histórico imperdoável conhecido como estrangeirismo ou até mesmo barbarismo. Infelizmente, muitas vezes, de forma inconsciente, pessoas apropriam-se de neologismos e passam a usá-los, sem perceber, como instrumento de dominação através da linguagem.

cais04“Píer” vem do inglês. Significa “Pilar” em nosso dicionário nordestinês. Aportuguesado: Vários pilares sustentando uma passarela flutuante que servirá para atracar embarcações. Parece-me que no projeto apresentado pelo Prefeito o “Píer da Prainha” é apenas uma peça de engrenagem no meio de um todo chamado Cais.

Em 1877 D. Pedro II veio à Petrolândia e mandou construir um Cais e uma ferrovia. Objetivo: Ligar economicamente o alto e o baixo São Francisco e com isso escoar a produção de gêneros alimentícios produzidos em municípios localizados às margens do Velho Chico além de gerar emprego e renda para os sertanejos famintos. O Cais foi construído e a ferrovia também. Dar para entender um empreendimento deste porte há 136 anos em Petrolândia? Só Mergulhando na história das águas do Velho Chico.

cais02Segundo o Prefeito Lourival Simões “Desde a mudança da cidade para a atual localização, o poder público aguarda essa correção, pois tínhamos na Velha Cidade o nosso cais e, com a mudança para cá, nós perdemos esse espaço que servirá não apenas ao desenvolvimento do turismo como auxiliará aos pequenos e médios pescadores que terão onde atracar suas embarcações”.

Assim, se em 1877 D. Pedro II veio aqui e mandou construir um Cais nada melhor que o Prefeito que 136 anos depois manda construir outro para substituí-lo, e agora com toda força do Estado da Arte do século XXI, sugira ao povo que ele seja batizado de Cais D. Pedro II em vez de Píer da Prainha.

cais01E se assim for, os pequenos pescadores, os humildes agricultores, os cabras da peste do nosso sertão não sairão daqui irritados por não conseguirem entender o linguajar da elite que frequenta o Píer da Prainha como apresentado no vídeo abaixo. Os gringos turistas, gostarão de ouvir e aprender o arretado linguajar nordestinês dos guias turísticos petrolandenses. Em vez de importar vamos exportar neologismo.

Fotos: Divulgação facebook 

Prêmio Arte Livre para o Icó Mandantes Petrolândia PE

Valdiran Caitano de Morais Júnior

Valdiran Caitano de Morais Júnior

Petrolândia 02 de novembro de 2013

E agora Valdiran Caitano de Morais Júnior ou simplesmente, Júnior, para onde vamos? “A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca…” (Paulo Freire).

Tive a grata satisfação de estar a seu lado no mesmo dia em que, oficiosamente, você soube através da Gestora Ivone da sua premiação no Concurso Arte livre promovido pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – CEDCA/PE. Tema: “A proteção de crianças e adolescentes nos grandes eventos”

artelivre08A sua mãe ficou sem acreditar. Queria ver em que relação constava o seu nome. Nada demais. Emoção de mãe coruja. Em poucos minutos de bate papo percebi que o prêmio conquistado não foi por acaso.

– Que desenho você fez?
– O desenho de um cavalo, um vaqueiro e pessoas.
– Porque escolheu este desenho?
artelivre07– Eu tinha ido a uma vaquejada na semana anterior.

A questão agora, Júnior, é saber como administrar a força do simbolismo que este merecido prêmio representa para a sua vida futura e das demais crianças não apenas da Escola Municipal Canafístula, mas de todas que fazem a comunidade Icó mandantes. “…E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria.” (Paulo Freire)

Como usar o notebook recebido como prêmio sem acesso à internet? Você não acha que todos deveriam ter acesso a net gratuitamente? As grandes empresas faturam bilhões e bilhões com propaganda. Por quê elas em parceria com o poder público não bancam a internet para os pobres?

artelivre05Não pare de sonhar. Lembre-se sempre que o mesmo poder que tem um balanço sofisticado no parque infantil do Colégio Santa Maria em Recife, para o desenvolvimento intelectual de uma criança, tem um balanço com pneu de carro dependurado com cordas em um umbuzeiro aqui nas escolas do Icó Mandantes. Nunca esqueça que o mesmo poder de estímulo à aprendizagem que tem uma cadeira escolar nova tem uma cadeira escolar velha desde que adequada à idade da criança e conduzida por quem tem compromisso com a educação. O mobiliário para uma criança da educação infantil não pode ser o mesmo para uma criança do ensino fundamental. Assim, estando adequada a idade tanto faz o mobiliário escolar construído nas melhores fábricas do país como aquelas que eram construídas com muito amor e carinho pelo nosso querido marceneiro Chiquinho Amorim da Agrovila 03.

Emfim, tudo se resume a uma questão de compromisso. Compromisso de todos que fazem a educação. Sem gestão e apoio logístico integrado tudo poderá passar de mera fantasia momentânea.

Minhas desculpas aos professores e gestores se o meu elogio foi apenas para o aluno. Se não o fiz é porque acho que vocês apenas cumpriram com o seus deveres de educador. Se assim o fizesse estaria aceitando como normal as atividades daqueles que não têm compromisso com seus alunos. A maior glória para um educador é ver o seu discípulo superá-lo.
Fotos: Divulgação facebook