E agora Profissionais da Educação: Receberão o Piso Salarial definido em Lei?

Petrolândia 27 de fevereiro de 2013

Apesar de todo aparato jurídico e liberdade plena da imprensa, eu confesso que tenho dúvidas.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o Piso Nacional de Salário de Professores deverá ser pago pelos Estados e Municípios a partir de 27 de abril de 2011. O valor deste piso é, no momento, de R$ 1.567,00. Será que os professores que não vinham recebendo o que a lei determina passarão a receber e ainda receberão o atrasado?

Quando ingressei na carreira de Magistério, em 1972, já existia um piso salarial a nível nacional definido pela LDB 5692/71. Nunca foi cumprida. Aliás, o Brasil é expert em criar leis desse gênero. Quem já leu ou recorda-se do famoso Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova lançado em 1932, logo após a Revolução de 30, por Educadores idealistas liderados pelo Professor Anísio Teixeira? Parece que foi escrito hoje.

Será que algum Governador ou Prefeito sofreu qualquer punição por tal atitude. A diferença é que agora há uma determinação do STF. Ao relatar o seu voto o Ministro Joaquim Barbosa do STF disse: “Não me comove, não me sensibiliza nem um pouco argumentos de ordens orçamentárias. O que me sensibiliza é a questão da desigualdade intrínseca que está envolvida. Duvido que não haja um grande número de categorias de servidores, que não esta, que tenha rendimentos de pelo menos 10, 12, até 15 vezes mais que esse piso”

Mas porque Governadores e Prefeitos reclamam se eles sabem que caso comprovem que não têm recursos suficientes para pagar o piso salarial dos profissionais de educação é só recorrer ao Governo Federal que ele fará a complementação? O problema é que para isso eles terão que comprovar que estão cumprindo todos os requisitos exigidos em Lei. Para que o Governador ou Prefeito receba a complementação é necessário que o Estado ou Município:

1- Seja beneficiado pela complementação da União ao FUNDEB;

2- Aplique pelo menos 30% (trinta por cento) da receita resultante de impostos em MDE (mínimo constitucional = 25%);

3-Preencha o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação – SIOPE;

3-Cumpra o regime de gestão plena dos recursos vinculados à MDE (§ 5º do art. 69 da LDB);

4-Apresente planilha de custos detalhada, demonstrando a necessidade e a incapacidade;

5-Apresente majoritariamente matrículas na zona rural, conforme apurado no censo anual da educação básica (relação professor/aluno);

Atentem para o item 5 acima. Acontece que alguns Governadores e Prefeitos preferem recorrer a todo tipo artifício a cumprir os requisitos mínimos acima.

Acredito, cada vez mais, que a saída mais viável para que o Brasil saia da posição incômoda de ser um dos piores no mundo em Educação seja a federalização da educação.

Órfãos da Barragem de Itaparica

Petrolândia 21 de fevereiro de 2013

O projeto para deslocamento e reassentamento, compulsório, das famílias atingidas pela usina hidrelétrica de Itaparica entre os Estados de Pernambuco e Bahia foi financiado pelo BIRD – Banco Internacional pela Reconstrução e Desenvolvimento. O mutuário foi a ELETROBRAS e a executora a CHESF – Companhia Hidrelétrica do São Francisco. A concepção do projeto foi muito além do acordado com o Pólo Sindical do Submédio São Francisco. Foi o primeiro desta natureza financiado pelo Banco Mundial. Uma de suas exigências foi que a CODEVASF fosse a executora do sistema de irrigação a ser implantado. Pretendia mostrar para o mundo que seria possível transformar uma área de extrema pobreza em verdadeiro paraíso: Acesso aos projetos irrigados todos pavimentados, escolas de altíssima qualidade, sistema de irrigação de última geração e muito mais. Para isso a Chesf não economizou esforços para realizar convênios generosos com as prefeituras e Codevasf.

O Governo Federal já investiu mais de 3 bilhões e a Chesf uma média de 103 milhões anuais. Onde foram gastos todos estes recursos? Para onde foram desviados? O reassentamento de Itaparica consumiu tanto dinheiro? (Veja aqui o relatório do TCU:)

Vinte e cinco anos depois a terra prometida transformou-se para alguns, (agricultores, comerciantes e políticos), numa verdadeira fábrica de prosperidade, para outros numa via crúcis infindável. (Veja aqui o Milagre Econômico de Petrolândia:) Ontem proprietários de suas terras, de suas casas e do seu próprio destino, hoje como escravos de interesses inconfessáveis não são donos de nada. A maioria já perdeu a esperança de um dia receber o título de suas propriedades. Mais da metade dos reassentados já passou para o outro lado da vida sem ver o seu sonho realizado.

OBS: a partir do próximo mês estarei publicando, neste Blog uma série de artigos referentes aos reassentados de Itaparica. Faz parte de um trabalho que venho pesquisando a certo tempo que tem como título “Viajando em busca de mim mesmo” Aguardem.

Centro de monitoramento do sistema de irrigação do projeto Icó Mandantes

Petrolândia 19 de fevereiro de 2013

Há cerca de oito meses a rainha da fauna do semiárido nordestino começou a construir o Centro de monitoramento do sistema de irrigação do projeto Icó Mandantes. Exatamente na rede de alta tensão que leva energia elétrica às estações de bombeamento 03, 04 e 05 do Bloco 04 do Projeto Icó Mandantes, Petrolândia Pernambuco.

Já está em pleno funcionamento. Daí ela monitora tudo. Está bem à margem da estrada que dar acesso ao projeto Icó Mandantes. Envia aos órgãos do governo, em tempo real via internet, todas as informações sobre a produção agrícola do projeto, pois é por aqui que se dá o escoamento. Os políticos nem precisam mais implantar o balanção prometido há anos aos produtores. Quando o caminhão entra para o projeto fica registrada a placa e o peso do carro. Quando sai identifica o produto recalcula o peso e envia as informações para o comprador e produtor, tudo em tempo real. Se passar maconha comunica imediatamente à Polícia. É possível que a tecnologia 4G tenha sido inspirada na análise da forma de comunicação da Casaca de couro. A cada 200 metros, no máximo, há um ninho de casaca de Couro ao longo de toda estrada até chegar às roças produtoras. Assim através do seu canto elas enviam informações que circulam a uma velocidade impressionante. (Clique aqui para ouvir o canto da Casaca de Couro: )

Como há mais de um ano não chove por aqui a tecnologia eletrônica da Casaca de Couro ainda não foi testada na prática, pois em poucos minutos de chuva a qualquer descarga elétrica (raio) todo sistema elétrico deverá ser desligado automaticamente queimando e desalinhando as bombas de elevação da água. Quem pagará a conta e quem ganhará? A CELPE, a CHESF, A CODEVASF, o produtor ou a Casaca de Couro? Pense nisso.

Clique aqui para ver a exata localização desta foto

TCU verifica indícios de irregularidas em obras de reassentamento de Itaparica

Petrolândia 18 de fevereiro de 2013

“Acompanhamento do Tribunal de Contas da União (TCU) realizado na Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) e na Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) avaliou o andamento do Programa de Reassentamento de Itaparica, que tem por objetivo reassentar as famílias deslocadas da área inundada pelo reservatório da Usina Hidrelétrica de Itaparica, atual Luiz Gonzaga, localizada entre os estados de Pernambuco e Bahia.

O TCU identificou gestos antieconômicos no programa, decorrentes da ausência de uma coordenação central. A falta de medidas para efetivar a transferência da gestão dos perímetros públicos irrigados de Itaparica para os reassentados e do patrimônio de uso comum para a Codevasf geram o dispêndio anual de R$ 104 milhões para a Chesf.

O acompanhamento apontou que, se a atual forma de gestão do programa for mantida, não há perspectivas para que sejam adotadas, em curto prazo, as medidas necessárias para a execução prevista do projeto. O TCU também constatou insuficiência de acompanhamento e fiscalização da execução dos termos de cooperação técnico-financeira celebrados com os municípios por parte da Chesf.

Segundo determinação do tribunal, a Casa Civil, órgão responsável pela coordenação e integração das ações do governo, os ministérios de Minas e Energia e da Integração Nacional, a Chesf e a Codevasf deverão elaborar e enviar ao tribunal plano de ação da execução do programa, com especificação de atividades, prazos e responsáveis.

O tribunal também aplicou multa ao diretor presidente da Chesf à época, em razão da falta de acompanhamento e fiscalização da execução dos termos de cooperação técnico-financeira acordada com os municípios.

O relator do processo, ministro Raimundo Carreiro, afirmou que não há impedimentos para a transferência do patrimônio de uso comum para a Codevasf e da gestão dos perímetros públicos irrigados para os reassentados, desde que haja coordenação e integração da ação pela Casa Civil, assim como o provimento de estrutura e orçamento para a Codevasf, a identificação da existência de pendências nos perímetros em questão e a análise do estabelecimento de subsídios e tarifas sociais.

A partir da construção da Usina Hidrelétrica de Itaparica e em função da formação do lago de Itaparica,10.500 famílias foram deslocadas, das quais 6.100 eram de pequenos agricultores, e entre estas, estavam 200 famílias indígenas da tribo Tuxá. No período entre 1985 e 2010, o volume de recursos aplicados pelo Governo Federal para a execução do programa alcançou montante superior a R$ 3,08 bilhões.

FONTE:
http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/imprensa/noticias/detalhes_noticias?noticia=4590219&utm_source=feedburner&utm_medium=twitter&utm_campaign=Feed%3A+AgenciaTCU+%28Not%C3%ADcias+do+TCU%29

A merenda está de volta

Petrolândia 18 de fevereiro de 2013

A merenda escolar chegou, hoje, às escolas municipais do projeto Icó Mandantes, Petrolândia Pernambuco. Agora as crianças poderão ter quatro horas de aula nos dias letivos. Ironia do destino? Enquanto os produtores rurais produzem alimentos, que tanto Petrolândia, o Brasil e o mundo precisam, os seus filhos lutam para matar a fome do estômago e de aprendizagem. Se ficarem na escola não aprendem porque estão com fome. Se forem para casa, matam a fome do estômago, mas não aprendem porque não têm quem mate a fome de aprendizagem.

Nós já tínhamos programado para começar amanhã uma campanha de arrecadação de alimentos junto à comunidade para doar às escolas, quando fui alertado por um colega pai de aluno:

– Não pode. A Prefeitura não aceita.
– Não aceita, mas aceita que as crianças passem fome?
– O que? Não é que, que… Não sei, só sei que não pode.
– Pois nós já tínhamos até elaborado o cardápio: Segunda feira (paçoca de carne de bode. Receita: carne de bode seca amassada no pilão misturada com farinha e rapadura); Terça feira (Bosta de papagaio – Receita: umbu verde amassado no pilão misturado com farinha de mandioca e rapadura); Quarta feira (Farofa de Murici (Murici amassado no pilão com rapadura ou açúcar); Quinta feira (Chá de Burro. Receita: Milho cozido, leite, açúcar e canela); Pirão de café – Receita: Farinha de mandioca e café.). Todos os dias teria um destes sucos extraídos direto da fruta: Goiaba, Manga, Melancia, melão, Uva, acerola e muito mais.

– Quem foi que fez esse cardápio de retirante?

– Mamãe. Quando eu fiz o primário não existia merenda nem bolsa escola obrigando, compulsoriamente, os alunos a frequentarem a escola. Ela preparava e eu e meus irmãos comíamos antes de sair para a escola. Chegava ao final da aula sem a barriga roncar.

– Não pode. Se não for o cardápio da Nutricionista eu prefiro ficar em casa.

OBS:

1-Durante o período houve professores, que não interromperam aulas em função da falta de merenda. Elas souberam resolver o problema: Os alunos não passaram fome nem do estômago e nem de aprendizagem. Parabéns.

2-Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Campus da Univasf em Petrolândia: Para não dizer que não falei das flores

Petrolândia 14 de fevereiro de 2013

audiencia-reitor

“Os representante da Câmara de Petrolândia, foram informados que, por motivos superiores, a criação de um campus da Univasf em Petrolândia não seria viável no momento. Porém existiria a possibilidade de serem implantados cursos de graduação a distância, em caráter gratuito, desde que firmada uma parceira entre a Prefeitura Municipal de Petrolândia e a Univasf. Os detalhes dessa parceira estão sendo oportunamente estudados, verificando-se a melhor forma de viabilizar a oferta de cursos a distância.

Ficou acordado que o Diretor de Extensões da Univasf, Prof. Davi, viabilizaria uma visita à cidade de Petrolândia para, em conjunto com o prefeito e vereadores do município, deliberarem acerca da referida aquisição, que depende de tramitação junto à UAB CAPES (Universidade Aberta do Brasil), órgão responsável pela implantação de pólos nos municípios, verificando-se quais as possibilidades, bem como o teor de disponibilização dos cursos de graduação em caráter gratuito a serem oferecidos.

Além disso, vale ressaltar que durante essa reunião os vereadores foram informados sobre a implantação de um campus universitário da Univasf na cidade de Paulo Afonso (BA), que, entre outros cursos, oferecerá 41 vagas para o curso de Medicina, previsto para início no segundo semestre de 2014. Assim, os vereadores ressaltam que as regiões circunvizinhas também serão beneficiadas pela disponibilidade de um curso de tamanha importância”. Fonte: http://www.camarapetrolandia.pe.gov.br/noticia-resultado-audiencia-reitor.html.

Para saber como funciona a UAB CAPES (Universidade Aberta do Brasil) acesse este link: UAB CAPES (Universidade Aberta do Brasil): http://www.uab.capes.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6&Itemid=18 

“Em recente entrevista ao correspondente da Rádio Bahia Nordeste de Paulo Afonso, Assis Ramalho, dentro do Programa Primeira Hora, os vereadores de Petrolândia. Fabiano Marques, Carlinhos e Raimundo Paulo Lacerda foram unânimes em afirmarem que também faltou empenho por parte dos políticos pernambucanos para a implantação de um campus universitário da Unisvasf em Petrolândia, o que não aconteceu com os da Bahia, que conseguiram levar o campus para Paulo Afonso”. Fonte:
http://www.assisramalho.com.br/2013/03/petrolandia-camara-de-vereadores.html#links

Pelas informações que tenho o Campus a ser implantado pela UNIVASF em Paulo Afonso é na Área de Saúde iniciando no próximo ano com o curso de Medicina. É possível que depois sejam criados gradativamente outros cursos específicos da área: Odontologia, Farmácia, Enfermagem, Nutrição, Saúde Coletiva, Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Educação Física. A CHESF deve estar investindo pesado. O investimento para criar e manter um curso de Medicina é altíssimo. É o curso de graduação que tem o maior custo por aluno.

Acho que os políticos devem continuar desenvolvendo esforços para criar um campus universitário em Petrolândia. Deve-se iniciar identificando a nossa verdadeira vocação e reais possibilidades. Com certeza não seria na Área de Saúde. Quem sabe alguns cursos de graduação de uma destas áreas:

Ciências da Vida: (Biologia Geral, Botânica, Zoologia, Ecologia, Morfologia, Fisiologia, Bioquímica, Biofísica, Farmacologia, Imunologia, Microbiologia, Parasitologia);

Engenharias (Engenharia Civil, Engenharia de Minas, Engenharia de Materiais e Metalúrgica, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Engenharia Sanitária, Engenharia de Produção, Engenharia Nuclear, Engenharia de Transportes, Engenharia Naval e Oceânica, Engenharia Aeroespacial, Engenharia Biomédica);

Ciências Agrárias (Agronomia, Recursos Florestais e Engenharia Florestal, Engenharia Agrícola, Zootecnia, Medicina Veterinária, Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca, Ciência e Tecnologia de Alimentos);

Ciências Sociais Aplicadas (Direito, Administração, Economia, Arquitetura e Urbanismo, Planejamento Urbano e Regional, Demografia, Ciência da Informação, Museologia, Comunicação, Serviço Social, Economia Doméstica, Desenho Industrial, Turismo);

Ciências Humanas (Filosofia, Sociologia, Antropologia, Arqueologia, História, Geografia, Psicologia, Educação, Ciência Política, Teologia, Linguística, Letras, Artes);

Engenharias (Engenharia Civil, Engenharia de Minas, Engenharia de Materiais e Metalúrgica, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Engenharia Sanitária, Engenharia de Produção, Engenharia Nuclear, Engenharia de Transportes, Engenharia Naval e Oceânica, Engenharia Aeroespacial, Engenharia Biomédica).

O primeiro passo foi dado pelos políticos de Petrolândia e merece o nosso reconhecimento. Acho que a afirmação “faltou empenho por parte dos políticos pernambucanos para a implantação de um campus universitário da Unisvasf em Petrolândia, o que não aconteceu com os da Bahia, que conseguiram levar o campus para Paulo Afonso” não foi feliz.

Não devemos nos contentar com cursos da UAB CAPES. Se continuarmos tentando chegaremos lá. Vontade política é fundamental.

É bom lembrar que nunca foi tão fácil estudar numa Universidade boa. Eu gostaria de ter tido esta oportunidade no meu tempo de adolescente. Qualquer aluno, pobre ou rico, que tenha tido a sorte de estudar em escolas que ofereçam Educação Básica de Qualidade desde a Educação Infantil ao Ensino Médio poderá escolher em que universidade pública ou privada quer estudar com bolsa de estudo do ProUni. Para saber como conseguir uma bolsa do ProUni acesse o link http://www.guiadacarreira.com.br/artigos/educacao/prouni/

Mas por que é tão importante a implantação de um Campus Universitário em nossa cidade? Porque além do investimento que o Governo Federal faz no Município, o ensino é gratuito, contribui muito para a geração de emprego e renda e melhor ainda: Contribui decisivamente para o desenvolvimento científico e cultural da cidade.

Projeto de Lei 267/11 prever punição para aluno que desrespeitar Professor

proibidoretornar

Petrolândia 13 de fevereiro de 2013

Tramita na Câmara dos Deputados em Brasília), em caráter conclusivo, o projeto de lei 267/11 da deputada Cida Borghetti (PP-PR), Este projeto prever punição para aluno que desrespeitar Professor.
Como sempre, políticos colocando a culpa nos estudantes e consequentemente nos pais dos alunos. Desde quando aluno, em qualquer parte do mundo, vai deixar de desrespeitar professor porque existe uma lei que o pune. Isso é delírio de Políticos que pretendem manter a população analfabeta à base de cacetadas da polícia. Se pensam dessa forma é porque sabem que esta lei vai funcionar para os filhos dos outros e não para os seus. Querem colocar o poder da palmatória dos professores de ontem na mão do poder de Polícia. “Não é possível pensar em sociedade sustentável com uma Educação para os nossos filhos e outra para os filhos dos outros.” (Bernardo Toro). Infelizmente há muitos professores que concordam com este projeto. Michael Barber (conselheiro na área de Educação e ex-assessor de Tony Blair no MEC britânico) diz o seguinte: “As pessoas precisam escolher seguir a carreira de professor, e não virar um deles apenas porque não tinham nada melhor para fazer”. Os cursos mais rápidos, mais baratos e mais fáceis de arranjar emprego são os de Licenciatura incluindo Pedagogia. Por isso tanta procura. Os baixos salários desviam os que têm vocação para o magistério para outras áreas.

Esses Deputados deveriam encontrar uma forma de punir Governadores e Prefeitos que não respeitam a LDB. Se querem saber por que tem alunos que desrespeitam professores organizem uma comissão e façam visitas de surpresa às escolas estaduais e municipais. Como são milhares de escolas façam uma pesquisa por amostragem. Peguem com antecedência o nome de todos que deveriam estar trabalhando, pessoal administrativo e docente, nas escolas no dia da visita. Assim saberão porque o Brasil ficou em penúltimo lugar no ranking global de educação. É um dos países com o pior sistema de educação no mundo, atrás da Argentina, Colômbia, etc. Enquanto o Estado achar que a culpa da situação de penúria da Educação Brasileira é dos Pais dos alunos o Brasil continuará na mesma situação. Aprovar projetos para o desenvolvimento de políticas públicas nas áreas de Educação e Saúde e a Federalização da Educação Básica trará mais resultado do que criar lei para punir Crianças e Adolescentes nas escolas.

……………………………….

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou na quarta-feira (28) proposta que prevê punição para estudantes que desrespeitarem professores ou violarem regras éticas e de comportamento de instituições de ensino.
Pelo Projeto de Lei 267/11, da deputada Cida Borghetti (PP-PR), o estudante infrator ficará sujeito a suspensão e, na hipótese de reincidência grave, será encaminhamento à autoridade judiciária competente. A proposta muda o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90) para incluir o respeito aos códigos de ética e de conduta das escolas como responsabilidade e dever da criança e do adolescente estudante.
O relator, deputado Mandetta (DEM-MS), destacou que a violência contra professores do ensino médio e do fundamental é uma das causas da falta de qualidade da educação brasileira. “Professores com medo de sofrer violência ou represálias verbais e físicas, principalmente por parte de alunos, somado à falta de punição administrativa e/ou judicial dos estudantes indisciplinados ou violentos somente corroboram a existência de sérios problemas educacionais”, afirmou.
O parlamentar disse ainda que um estatuto que assegura apenas direitos, sem determinar deveres, desrespeita uma das regras básicas da educação, que é o respeito aos direitos dos outros. “É fato que há uma crescente violência contra professores e diretores em sala de aula, que não vem sendo coibida adequadamente pelas normas hoje em vigor. Cremos que o sistema de proteção integral determinado pela Constituição Federal às crianças e adolescentes também passa por imposição e cumprimento de deveres”, concluiu.
(Fonte: http://www.pp.org.br/noticias/453/161469/ComissaoAprovaPunicaoParaAlunoQueDesrespeitarProfessor/

A crise nas prefeituras e a teoria do bode

bode

Petrolândia 12 de fevereiro de 2013

“Você está com problemas? põe um bode dentro de casa e logo os seus problemas desaparecem, obscurecidos pela presença de um bicho que come todas as suas roupas, os seus móveis, o seu dinheiro e os seus documentos. Então você manda o bode embora e fica sem bode e sem problemas”. (Olavo de Carvalho)

Dizem que na época da crise do plano Color um pai de família necessitado, passando por sérias dificuldades, agricultor, morando numa comunidade da área rural na cidade de patamirim e com muitos filhos, foi pedir ajuda ao prefeito da cidade. Chegando lá, contou o seu drama: Tenho dez filhos, todos trabalhadores e honestos. Já me ajudam na roça. Sonho em um dia ver todos formados e quem sabe algum pode vir até a ser vereador, médico, advogado e até Presidente da República. Mas a situação está muito difícil. Alunos sem professor e, quando tem, as turmas são misturadas de crianças pequenas com meninos grandes na mesma sala. O Prefeito emocionado com a situação do pobre pai respondeu: não se preocupe vou resolver imediatamente o seu problema e de toda comunidade. Dentro de oito dias volte aqui.

Imediatamente ordenou ao Secretário de Agricultura colocar um Bode (Pai de Chiqueiro) no meio de cada sala de aula da escola daquela comunidade. E assim foi feito. No primeiro dia as crianças acharam interessante e se divertiram bastante com o bode. A partir do dia seguinte a fedentina era tanta que impreguinou até o fardamento das crianças. Em pouco tempo nem os pais aguentavam mais, pois as crianças chegavam em casa com toda fedentina característica do pai de chiqueiro e não havia mais sabão da terra que tirasse o perfume da farda das crianças. O estoque de sabão em pó da cidade acabou.

Completado os oito dias o pai voltou à Prefeitura:
– E aí a situação melhorou? Perguntou o Prefeito.
– Não estimado Prefeito, o professor que o senhor contratou piorou por demais a situação.
– Então vou mandar retirar o bode. Daqui a oito dias volte novamente aqui.
Passada uma semana, o cidadão voltou à prefeitura e o mandatário municipal perguntou: e então? As coisas melhoraram?
– Agora sim, Excelência, melhorou bastante. Tá todo mundo feliz. Sem o bode a comunidade deixou de gastar mais dinheiro com sabão, a sala de aula e a farda das crianças não tem mais aquela fedentina.

OBS: Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

……………………………….

Há quem diga que a Teoria do Bode surgiu no bojo da Revolução Russa em 1917. Foi um período de muitos conflitos, que tinha como causa principal uma grande massa de operários e camponeses (90% da população) trabalhando muito e ganhando pouco. Esta revolução levou ao poder o Partido Bolchevique de Vladimir Lênin . Ainda no período de Consolidação da Revolução o povão que tinha invadido casas e mansões da aristocracia e burguesia (10% da população) Russa começam a reclamar da sujeira, falta de higiene e fedentina. Lênin, então, manda colocar um bode na sala de cada casa. A partir daí o povo passa a reclamar da fedentina do bode e suplicam encarecidamente ao Governante que retire o bode o que foi imediatamente atendido. Tudo voltou ao normal e os problemas anteriores foram esquecidos.

Esta teoria parte do pressuposto de que nada é tão ruim que não possa piorar. Embasada em experimentos psicológicos e no impressionismo, dissemina nas pessoas a certeza de que vivia melhor do que achava que vivia.

Sem merenda escolar e sem a carga horária determinada em Lei

Petrolândia 11 de fevereiro de 2013

“Fui passear na roça
Encontrei madalena
Sentada numa pedra
Comendo farinha seca
Olhando a produção agrícola
E a pecuária
Madalena chorava
Sua mãe consolava
Dizendo assim
Pobre não tem valor
Pobre é sofredor
E quem ajuda é Senhor do Bonfim” (Gilberto Gil)

Quando Gilberto Gil escreveu esta música ainda não havia o programa Bolsa Família e Bolsa Escola obrigando, por lei, os alunos pobres a frequentarem a escola, provavelmente não para matar a fome de aprendizagem, mas a fome do estômago para no futuro votarem nos neos coronéis. Por isso, não tem qualquer problema faltar merenda de vez em quando, pois só assim quebra-se o ciclo de aprendizagem dos alunos e eles chegarão aos dezesseis anos analfabetos funcionais prontos para votarem naqueles que tiverem condições de lhe darem uma ajudazinha com um eventual subemprego ou de preferência vendendo o seu voto. Aos que caírem na delinquência polícia neles. Esta é a lógica perversa da política brasileira.

Os alunos das Escolas Municipais do Projeto Icó Mandantes de Petrolândia continuam, ninguém sabe até quando, sem merenda escolar e sem a carga horária determinada em Lei. Os recursos para este fim foram depositados no Banco do Brasil de Petrolândia, na conta da Prefeitura há mais de um mês. Estes recursos são enviados pelo FNDE (Fundo Nacional de desenvolvimento escolar), através do PINAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) em dez parcelas mensais para cobertura de 20 dias. Confira no quadro acima.

O FNDE é uma autarquia vinculada ao Ministério da Educação. É ele o responsável pela normatização, assistência financeira, coordenação, acompanhamento, monitoramento, cooperação técnica e fiscalização da execução do programa. A aplicação correta destes recursos em cada cidade é fiscalizada por um Conselho de Alimentação Escolar – CAE constituído por 7 membros assim distribuídos:

1- representante do poder Executivo;
1- representante do poder Legislativo;
2- representantes dos professores;
2- representantes de pais de alunos, indicados formalmente pelos conselhos escolares, associações de pais e mestres ou entidades similares;
1- representante de outro segmento da sociedade civil, indicado formalmente pelo segmento representado;

Alguém sabe nominar as pessoas que compõem este conselho em Petrolândia? Qual é o vereador membro deste conselho? Será que os dois representantes dos pais de alunos têm filhos matriculados nas escolas do município?

Enquanto os alunos da Bahia apelam para o Senhor do Bom Fim embalados pela música de Gilberto Gil a única solução para os alunos pobres de Petrolândia, no momento, é apelar para o Padroeiro da nossa cidade: São Francisco de Assis já que ele abdicou de sua riqueza para ajudar os mais necessitados, caso contrário continuarão a ser encaminhados para os currais eleitorais dos neos coronéis nordestinos. Até quando?

A RENÚNCIA DO PAPA BENTO XVI E A CRISE NAS PREFEITURAS

Papa Bento XVI

Papa Bento XVI

Petrolândia 11 de fevereiro de 2013

Os Prefeitos que não conseguem resolver os problemas do seu povo deixando crianças inocentes sem escolas e professores sem salário deveriam fazer o mesmo.

“No mundo de hoje, sujeito a rápidas transformações, e abalado por questões de grande relevo para a vida da fé, para governar a nave de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma como eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o Ministério que me foi encomendado” (Papa Bento XVI) .

“A juventude não é uma época da vida, e um estado do coração;
Não é uma questão de rostos rosados, lábios vermelhos e flexibilidade nas mãos e pernas;
É uma questão de força ardente, de rica criatividade e ardente paixão.
A juventude é o frescor na fonte profunda da vida;
A juventude é a coragem que suplanta a covardia;
É o espírito de desafio que afasta a tendência à comodidade.
Há casos em que existe mais juventude num homem de sessenta anos do que num jovem de vinte.
O homem não envelhece apenas pela passagem de anos.
Envelhece no momento em que perde os ideais.” (Samuel Ullman (1840-1924)

O gesto do Papa XVI, ao reconhecer a sua incapacidade para exercer bem o Ministério demonstra que ele não envelheceu e nem perdeu os seus ideais.

1 2