CARNAVAL PETROLÂNDIA 2017: FANTÁSTICO

“É de fazer chorar, quando o dia amanhece obriga o frevo a parar, Ôh quarta-feira ingrata chega tão depressa só pra contrariar” (Luiz Bandeira)

Mais um evento realizado pela Prefeitura de Petrolândia que gera um poder simbólico no imaginário social e cultural dos Petrolandenses que vai muito além da nossa real compreensão: O Carnaval 2017. O Prefeito Ricardo Rodolfo, com humildade, pediu que empresários locais colaborassem e o que vimos foi o maior e melhor carnaval de toda nossa história. Parabéns aos organizadores.

E o carnaval de 2018 como será? Aqui vão algumas sugestões:

1-Criar um Conselho de Cultura para entre outros organizar o Carnaval;

2-Realizar um concurso de marchinhas com compositores locais;

3-Realizar um concurso para selecionar vocalistas locais;

4-Realizar concurso para selecionar as bandas locais que participarão do carnaval;

5-Os paredões devem tocar apenas músicas do carnaval pernambucano e ao mesmo tempo todas reproduzindo as mesmas músicas sincronizadas via transmissor FM. Vocalistas selecionados no item 2 desfilariam nos paredões fazendo playback.

Vale lembrar que o frevo divide-se em três estilos: frevo de rua (Tocado por orquestra instrumental, sem adição de nenhuma voz cantando), frevo de bloco (Executado por orquestra de pau e cordas (geralmente composta por violões, cavaquinhos, banjos, bandolins, violinos, além de instrumentos de sopro e de percussão) e frevo-canção (Tem melodia cantável e andamento mais lento que o dos frevos de rua).

Exemplos de estilos de frevo:

Frevo de rua: “Vassourinhas”

https://www.youtube.com/watch?v=5Ml7N8mm8LM

Frevo Canção: “Borboleta não é ave”

https://www.youtube.com/watch?v=zXi2vevee-w

Frevo de Bloco: “Madeira que Cupim não Rói”

https://www.youtube.com/watch?v=li4SgjHF3Ic

O FORRÓ/SERESTA MAIS DEMOCRÁTICO DO MUNDO EM PETROLÂNDIA

Gente humilde, pessoas simples, um bom tecladista e vocalista. Esta é a receita do tempero que há dois anos vem fazendo a alegria de quem gosta de dançar ao ar livre ao som de músicas que fazem bem ao coração a alma e a mente. No domingo de 29/01/2017 enquanto muitos petrolandenses se acotovelavam para ver Gustavo Lima em Tacaratu o público fiel do Baião D2 curtia, como sempre, o que já se tornou referência na vida noturna da nossa querida Petrolinda. Aqui todos se divertem tendo dinheiro ou não. O acesso é livre, a bebida é barata, o churrasquinho e o caldinho também. Se você não faz questão de luxo, de estar ao lado de gente pobre ou rica não deixe de conhecer o Forró/Seresta mais democrático do mundo. Além do grande cantor e tecladista Aldo Silva (proprietário do restaurante) natural da Agrovila 01 Bloco 01 a cantora Irisvânia é presença garantida todos os domingos. Não faltam também excelentes intérpretes que por aqui estão de passagem, como caminhoneiros, vendedores, promotores de vendas de outras paragens. Confira vendo o vídeo abaixo.

Para garantir a tranquilidade dos clientes há dois Seguranças e a Polícia Militar que faz ronda constante no local.

OBS

O Baião D2 & Churrascaria fica na BR 316 ao lado da PETROVEL, Petrolândia Pernambuco. Funciona de terça a domingo das 9:00 às 21 horas. O Forró/Seresta aos domingos das 19:30 às 00:00 horas.

DOMINGO NA PRAÇA – 08 DE JANEIRO DE 2017

 

O Repertório deste domingo (08/01/2017) foi dedicado aos músicos que alegravam os finais de semana no Icó e Limão Bravo até os anos 70.

Além das habituais cantoras Renata Heli e Suzi Sá Fomos agraciados com a presença de um grupo de Jovens da ICPB Petrolândia (Igreja de Cristo Pentecostal no Brasil) que deliciosamente através da música fizeram-nos viajar em busca da paz. A cantora Cida da cidade de Arcoverde também abrilhantou o evento.

O nosso muito obrigado especialmente a Rafha Santos, Everton Rubens e Willkerson  e Miicael Souza.  Apareçam sempre que puder. Jesus agradece e os frequentadores da Praça também.

PRÓXIMO DOMINGO NA PRAÇA – RECORDAÇÕES DO ICÓ E DO LIMÃO

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós”. (Saint-Exupéry)

O repertório do próximo evento DANCE NA PRAÇA, 08/01/2017, será dedicado aos músicos que alegraram os finais de semana no nosso Saudoso Icó e Limão Bravo até o início dos anos 70. Foram eles que ensinaram a mim e a tanto(a)s outro(a)s a gostar da boa Música.  A presença daqueles humildes grandes artistas nas festas de Carnaval, São João, Natal  era imprescindível.

ZÉ MIÚDO – Nos anos 60 ele volta, de São Paulo, à sua Terra Natal trazendo um violão de Oito Bocas e a influência que lá recebeu da música Caipira. “Beijinho Doce” das Irmãs Galvão, era a sua preferida. Faleceu em 2014, aos 77 anos. Morava na Agrovila 1 dos Mandantes. Era Irmão de Dona Maria de Geracina.

MANOEL BARBOSA – Funcionário do DENOCS. Era um excelente Violonista. Sua música preferida: “Quem eu quero não me Quer” de Anísio Silva. Reassentado, Morava na Agrovila 3 do Limão. Faleceu em 2005 aos 80 anos. Era irmão de João Barbosa e Zezinho Barbosa.

MANÚ – Também um grande violonista. Suas músicas preferidas são as de Nelson Gonçalves (A Volta do Boêmio) e Ataufo Alves (Meus Tempos de Criança). Aos 87 anos ainda resiste a uma boa noitada de seresta. Reassentado, mora na Agrovila 2 do Limão.

GABRIEL RODRIGUES – Motorista do DENOCS, toca sanfona e cavaquinho e muito bem. Está com 89 anos. Mora em Arcoverde. Todos os seus filhos são músicos e tocam de tudo. Sanfona, cavaquinho, violão, guitarra, teclado, percussão, etc. Eles fizeram a abertura do Baile dos Filhos e Amigos de Petrolândia 2016.

GENIVAL – Excelente Acordeonista. Aprendeu com o Pai Gabriel Rodrigues citado acima. Mora em Itaparica, Jatobá, PE.

Cândio – Tocava Pé de Bode (sanfona de 8 baixos). Nos forrós de Pé de Latada nas taipas de casa ele não podia faltar. Faleceu aos 95 anos. Morava na Agrovila 2 dos Mandantes.

MENININHO – Tocava Acordeom.  Animava os forrós do Icó ao Limão. Reassentado, mora na Agrovila 5 do Limão. Filho de Pedro de Chico Moço e pai de Juliana Souza. De vez em quando ele relembra os bons tempos tocando na velha companheira.

CHICO DE MILA – Toca Sanfona. Era o principal forrozeiro na Chapada. Ainda relembra os velhos tempos quando de vez em quando pega na sua inseparável companheira de outrora. Reassentado, mora na Agrovila 1 do Limão.  É pai de Paulinha.

Eu não podia ficar de fora dessa Relação. O violão sempre me acompanhou. Tive minhas primeiras aulas com Manú e Manoel Barbosa. Minha música preferida era “Que queres tu de mim” de Altemar Dutra.

OBS: Se esqueci de alguém me corrija

DECLARAÇÃO DE AMOR À MINHA ETERNA NAMORADA

Um dia, ainda na minha infância pobre no saudoso Icó, eu observava o azul sem dimensão do espaço infinito. Nem uma nuvem para amenizar o calor insuportável. Como num passo de mágica aparece uma mulher na minha frente e pergunta:

– Está sonhando?

– Sim, estou pensando em voar.

Ela então me deu a mão e a partir daí jamais nos separamos.  Ela me ensinou a lutar por tudo que eu sonhava e graças ao nosso amor inseparável conseguir chegar a ser professor de uma Instituição, a Universidade Federal de Pernambuco, que como todas as Universidades no mundo, o valor maior é a liberdade. Liberdade de expressão, liberdade de pensamento.

Foi com ela que aprendi que a minha liberdade termina quando começa a dos outros qualquer que seja a opção política ou religiosa. Essa é a minha eterna namorada: A liberdade. E para homenageá-la, nada melhor do que a música do Saudoso Jessé: Voa Liberdade.  Mesmo sem saber cantar tive a permissão da minha eterna namorada para gravar este vídeo em Praça pública: A Praça dos Três Poderes em Petrolândia Pernambuco.

OBS: Este vídeo foi gravado durante o evento “TOQUE CANTE E DANCE NA PRAÇA” que acontece todos os domingos na Praça dos Três Poderes em Petrolândia Pernambuco.

HOMENAGEM A DOM HÉLDER CÂMARA – NO AZUL DA MANHÃ

Petrolândia 27 de agosto de 2015

Dezesseis anos sem o meu Guru Dom Hélder Câmara, mas lá do outro lado da vida ele continua iluminando o meu caminho e de tantos outros que têm uma causa para dedicar a vida.
Hoje, 27/08/2015, 16 anos sem o Mestre dos Mestres. Na década de 60, ainda adolescente, curtir muito esta música na voz de Altemar Dutra. Sem conhecer o seu autor pensava que quem a escreveu o fez pensando numa grande mulher, paixão de sua vida. Anos depois descobrir que a composição era de Dom Hélder Câmara. De fato, ele dedicou essa obra prima a uma grande mulher, a grande paixão da sua vida: A mãe natureza e de quem a criou.

Leia também:

Dom Heder Câmara – Utopias Peregrinas

Dom Hélder Câmara e o seu senso de oportunidade: Um exemplo que deveria ser seguido pelo Empresariado de Petrolândia